Concepção, Gestação, Bebê e Infância
Casal e Família
Relações de Gênero
Sexualidade Humana
DST's & AIDS
Métodos Contraceptivos
Estresse & Ansiedade
Medos & Fobias
Saúde & Prevenção
Hábitos e Disfunções Alimentares
Qualidade de Vida
Neurociências
Dependência química
Farmacologia
Psicologia Organizacional
Psicologia Acadêmica
Psicologia do Trânsito
Ética & Legislação
Direitos e Declarações Universais
Instituições
Notícias
Indicações Bibliograficas
Utilidade pública
Normas e Responsabilidades
Sobre o Site



Marcos A. L. Renna - Contato: 2965-4042 / 98458-4892
DSM-IV
4ª Edição
Home » DSM-IV » Demência Persistente Induzida por Substância - 292.1

Demência Persistente Induzida por Substância - 292.1

Demência Persistente Induzida por Substância


Diagnóstico e Características Associadas


A Demência Persistente Induzida por Substância não é diagnosticada se os sintomas não persistem além da duração habitual da Intoxicação ou Abstinência de Substância ou se ocorrem exclusivamente durante o curso de um delirium (Critério C). Entretanto, este pode estar sobreposto a uma Demência Persistente Induzida por Substância preexistente, sendo que, neste caso, ambos os diagnósticos devem ser dados. Deve haver evidências, a partir da história, exame físico ou achados laboratoriais, de que os déficits estão etiologicamente relacionados aos efeitos persistentes do uso de uma substância (por ex., droga de abuso, medicamento, exposição à toxina) (Critério D). Este transtorno é chamado de "persistente" porque a demência persiste por muito tempo após o indivíduo ter experimentado os efeitos da Intoxicação ou Abstinência de Substância.

As características associadas com a Demência Persistente Induzida por Substância são aquelas associadas com as demências em geral . Mesmo que atualmente abstinente do uso de substância, a maioria dos indivíduos com este transtorno teve, anteriormente, um padrão de uso prolongado e maciço de uma substância que satisfez os critérios para Dependência de Substância. Uma vez que esses transtornos persistem por muito tempo após a cessação do uso da substância, os exames de sangue ou urina podem ser negativos para a substância etiológica. A idade de início da Demência Persistente Induzida por Substância raramente se situa antes dos 20 anos. Este transtorno em geral tem início insidioso e progressão lenta, tipicamente durante um período em que a pessoa se qualifica para um diagnóstico de Dependência de Substância. Os déficits em geral são permanentes e podem piorar mesmo após a interrupção do uso da substância, embora alguns casos cheguem a apresentar melhora.

Para uma discussão mais detalhada sobre as características associadas aos Transtornos Relacionados a Substâncias.


Procedimentos de Registro


O nome do diagnóstico inclui a substância específica (por ex., álcool) supostamente causadora da demência. O código diagnóstico é selecionado a partir da listagem de classes de substâncias oferecida no conjunto de critérios. Para substâncias que não se enquadram em qualquer das classes, o código para "Outra Substância" deve ser usado. Além disso, no caso de medicamentos prescritos em doses terapêuticas, o medicamento específico deve ser indicado, listando o código E apropriado (ver Apêndice G). Quando mais de uma substância supostamente exerce um papel significativo no desenvolvimento da demência persistente, cada uma deve ser relacionada em separado (por ex., 291.2 Demência Persistente Induzida por Álcool; 292.82 Demência Persistente Induzida por Inalante). Se uma substância é considerada o fator etiológico, mas a substância ou classe de substâncias específica é desconhecida, o diagnóstico é 292.82 Demência Persistente Induzida por Substância Desconhecida.


Substâncias Específicas


A Demência Persistente Induzida por Substância pode ocorrer em associação com as seguintes classes de substâncias: álcool; inalantes; sedativos, hipnóticos e ansiolíticos; outras substâncias ou substâncias desconhecidas. Os medicamentos que causam demência incluem anticonvulsivantes e metotrexato intratecal. As toxinas que provocam sintomas de demência incluem chumbo, mercúrio, monóxido de carbono, inseticidas organofosfatados e solventes industriais.


Diagnóstico Diferencial


Critérios Diagnósticos para Demência Persistente Induzida por Substância

A. O desenvolvimento de múltiplos déficits cognitivos manifestados tanto por (1) quanto por (2)

(1) comprometimento da memória (capacidade prejudicada de aprender novas informações ou de recordar informações anteriormente aprendidas)

(2) uma (ou mais) das seguintes perturbações cognitivas:

(a) afasia (perturbação da linguagem)

(b) apraxia (capacidade prejudicada de executar atividades motoras, apesar da função motora intacta)

(c) agnosia (incapacidade de reconhecer ou identificar objetos, apesar da função sensorial intacta)

(d) perturbação no funcionamento executivo (isto é, planejamento, organização, seqüenciamento, abstração)

B. Os déficits cognitivos nos Critérios A1 e A2 causam, cada qual, um prejuízo significativo no funcionamento social ou ocupacional e representam um declínio significativo a partir de um nível anterior de funcionamento.

C. Os déficits não ocorrem exclusivamente durante o curso de um delirium e persistem além da duração habitual da Intoxicação ou Abstinência de Substância.

D. Existem evidências, a partir da história, exame físico e achados laboratoriais, de que os déficits estão etiologicamente relacionados a efeitos persistentes do uso de uma substância (por ex., droga de abuso, medicamento).

Codificar Demência Persistente Induzida por [Substância Específica]:

(F10.73 - 291.2 Álcool;

F18.73 - 292.82 Inalante;

F13.73 - 292.82 Sedativo, Hipnótico ou Ansiolítico;

F19.73 - 292.82 Outra Substância (ou Substância Desconhecida).


Seu Nome:

Seu E-mail:

Nome do amigo:

E-mail do amigo:

Mensagem:

Código de segurança (Repita o código):
 


Home :: Eventos :: Dicionário :: DSM-IV :: CID-10 :: Contato               PsicNet - Todos os direitos reservados