Concepção, Gestação, Bebê e Infância
Casal e Família
Relações de Gênero
Sexualidade Humana
DST's & AIDS
Métodos Contraceptivos
Estresse & Ansiedade
Medos & Fobias
Saúde & Prevenção
Hábitos e Disfunções Alimentares
Qualidade de Vida
Neurociências
Dependência química
Farmacologia
Psicologia Organizacional
Psicologia Acadêmica
Psicologia do Trânsito
Ética & Legislação
Direitos e Declarações Universais
Instituições
Notícias
Indicações Bibliograficas
Utilidade pública
Normas e Responsabilidades
Sobre o Site



Marcos A. L. Renna - Contato: 2965-4042 / 98458-4892
DSM-IV
4ª Edição
Home » DSM-IV » Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos - 292.0  

Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos - 292.0  

F13.3 - 292.0  Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos

 

Consultar também o texto e os critérios para Abstinência de Substâncias . A característica essencial da Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos é a presença de uma síndrome característica que se desenvolve após uma diminuição acentuada ou cessação do consumo após várias semanas ou mais de uso regular (Critérios A e B). Esta síndrome de abstinência é caracterizada por dois ou mais sintomas (similar à Abstinência de Álcool), que incluem hiperatividade autonômica (por ex., aumento da freqüência cardíaca, da freqüência respiratória, da pressão sangüínea ou da temperatura corporal, juntamente com sudorese), tremor das mãos, insônia, ansiedade e náusea, acompanhadas ocasionalmente por vômitos e agitação psicomotora. Uma convulsão de grande mal pode ocorrer em talvez até 20 a 30% dos indivíduos que passam por uma abstinência não tratada dessas substâncias. Na Abstinência severa, alucinações ou ilusões visuais, táteis ou auditivas podem ocorrer. Se o teste de realidade da pessoa está intacto (isto é, ela sabe que a substância está causando as alucinações) e as ilusões ocorrem em um sensório claro, o especificador Com Perturbações Perceptuais pode ser anotado (ver a seguir). Os sintomas causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, ocupacional ou em outras áreas importantes do funcionamento (Critério C). Os sintomas não devem ser decorrentes de uma condição médica geral nem ser melhor explicados por outro transtorno mental (por ex., Abstinência de Álcool ou Transtorno de Ansiedade Generalizada) (Critério D). O alívio dos sintomas de abstinência com a administração de qualquer agente sedativo-hipnótico apóia um diagnóstico de Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos.

A síndrome de abstinência caracteriza-se por sinais e sintomas em geral opostos aos efeitos agudos que podem ser observados em um usuário principiante desses agentes. O curso temporal da síndrome de  abstinência geralmente é previsto pela meia-vida da substância. Os medicamentos cujas ações tipicamente duram cerca de 10 horas ou menos (por ex., lorazepam, oxazepam e temazepam) produzem sintomas de abstinência dentro de 6-8 horas após a diminuição dos níveis sangüíneos, atingindo um pico de intensidade no segundo dia e melhorando acentuadamente por volta do quarto ou quinto dia. No caso de substâncias com meia-vida mais longa (por ex., diazepam), os sintomas podem não demorar mais de uma semana para se desenvolverem, alcançando uma intensidade máxima durante a segunda semana e diminuindo acentuadamente por volta da quarta ou quinta semana. Pode haver sintomas adicionais mais duradouros em um nível de intensidade muito menor, que persistem por vários meses. Como no caso do álcool, esses sintomas persistentes de abstinência (por ex., ansiedade, mudanças súbitas do humor e perturbações do sono) podem ser tomados erroneamente por Transtornos de Ansiedade ou Transtornos Depressivos não induzidos por substâncias (por ex., Transtorno de Ansiedade Generalizada).

Quanto mais tempo a substância foi consumida e quanto maiores as doses utilizadas, maior a probabilidade de haver uma Abstinência severa. Entretanto, há relatos de Abstinência com apenas 15 mg de diazepam (ou seu equivalente em outros benzodiazepínicos), com uso diário por vários meses. Doses diárias de aproximadamente 40 mg de diazepam (ou seu equivalente) tendem mais a produzir sintomas de abstinência clinicamente significativos, e doses ainda maiores (por ex., 100 mg de diazepam) apresentam maior propensão a serem seguidas por convulsões ou delirium por abstinência. O Delirium por Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos  caracteriza-se por perturbações na consciência e cognição, com alucinações visuais, táteis ou auditivas. Quando presente, o Delirium por Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos deve ser diagnosticado ao invés de Abstinência.

 

Especificador

 

O seguinte especificador pode ser aplicado a um diagnóstico de Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos:

Com Perturbações Perceptuais. Este especificador pode ser anotado quando alucinações com teste de realidade intacto ou ilusões auditivas, visuais ou táteis ocorrem na ausência de um delirium. Um teste de realidade intacto significa que a pessoa sabe que as alucinações são induzidas pela substância e não representam a realidade externa. Quando as alucinações ocorrem na ausência de um teste de realidade intacto, um diagnóstico de Transtorno Psicótico Induzido por Substância, Com Alucinações, deve ser considerado.

 

Critérios Diagnósticos para F13.3 - 292.0 Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos

 

A. Cessação (ou redução) do uso pesado e prolongado de sedativos, hipnóticos ou ansiolíticos.

 

B. Dois (ou mais) dos seguintes sintomas desenvolvendo-se dentro de algumas horas a alguns dias após o Critério A:

(1) hiperatividade autonômica (por ex., sudorese ou freqüência cardíaca acima de 100 bpm)

(2) tremor aumentado das mãos

(3) insônia

(4) náusea ou vômitos

(5) alucinações ou ilusões visuais, táteis ou auditivas transitórias

(6) agitação psicomotora

(7) ansiedade

(8) convulsões de grande mal

 

C. Os sintomas no Critério B causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, ocupacional ou em outras áreas importantes.

 

D. Os sintomas não se devem a uma condição médica geral nem são melhor explicados por outro transtorno mental.

Especificar se:

 

Com Perturbações Perceptuais

 

Outros Transtornos Induzidos por Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos

Os seguintes Transtornos Induzidos por Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos são descritos em outras seções do manual, junto com os transtornos cuja fenomenologia compartilham: Delirium por Intoxicação com Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos , Delirium por Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos , Demência Persistente Induzida por Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos , Transtorno Amnéstico Persistente Induzido por Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos, Transtorno Psicótico Induzido por Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos  Transtorno do Humor Induzido por Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos, Transtorno de Ansiedade Induzido por Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos , Disfunção Sexual Induzida por Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos  e Transtorno do Sono Induzido por Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos. Esses transtornos não são diagnosticados ao invés de Intoxicação com Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos ou Abstinência de Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos apenas quando os sintomas excedem aqueles habitualmente associados com a Intoxicação com Sedativos, Hipnóticos ou Ansiolíticos ou síndrome de Abstinência e quando são suficientemente severos para indicar uma atenção clínica independente.


Seu Nome:

Seu E-mail:

Nome do amigo:

E-mail do amigo:

Mensagem:

Código de segurança (Repita o código):
 


Home :: Eventos :: Dicionário :: DSM-IV :: CID-10 :: Contato               PsicNet - Todos os direitos reservados