Concepção, Gestação, Bebê e Infância
Casal e Família
Relações de Gênero
Sexualidade Humana
DST's & AIDS
Métodos Contraceptivos
Estresse & Ansiedade
Medos & Fobias
Saúde & Prevenção
Hábitos e Disfunções Alimentares
Qualidade de Vida
Neurociências
Dependência química
Farmacologia
Psicologia Organizacional
Psicologia Acadêmica
Psicologia do Trânsito
Ética & Legislação
Direitos e Declarações Universais
Instituições
Notícias
Indicações Bibliograficas
Utilidade pública
Normas e Responsabilidades
Sobre o Site



Marcos A. L. Renna - Contato: 2965-4042 / 98458-4892
Temas sobre Saúde - Geral
Home » Saúde & Prevenção » Temas sobre Saúde - Geral » Tema

Pesquisas comprovam que dormir mal engorda, envelhece e diminui radicalmente a qualidade de vida.
22/12/2004 - 01h31m

Não é por acaso que existe a expressão "sono de beleza". Dormir bem é essencial para a boa saúde. É quando os órgãos descansam do desgaste das horas em que passamos acordados, são produzidos hormônios vitais para o funcionamento do corpo, além de descansar a mente. Dormir não é um prazer dos preguiçosos, faz bem para o corpo, mente e alma. A privação do sono transforma o organismo em uma verdadeira bomba-relógio.

A pneumologista e coordenadora do Instituto do Sono - centro de pesquisas, diagnóstico e tratamento de distúrbios do sono ligado à Universidade Federal de Medicina (Unifesp) - profa. Dra. Lia Rita Azeredo Bittencourt, lista como conseqüências, a sonolência excessiva durante o dia, risco de acidentes, distúrbios cardíacos, alterações de memória, raciocínio, distúrbio de atenção, irritabilidade, depressão, déficit de crescimento, diminuição de imunidade, tendência a diabetes... A lista de malefícios não pára de crescer. Como se não bastasse, dormir mal engorda.

Na contramão do raciocínio popular que associa longas noites de sono àqueles quilinhos a mais, pesquisas recentes indicam que é a falta de sono que engorda. Segundo estudo feito pelo Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos e publicado na revista científica Sleep, uma boa noite de sono pode ajudar na perda de peso. A pesquisa monitorou quase 500 voluntários, com idades entre 27 e 40 anos. Ao final do período, os indivíduos que dormiam menos de seis horas por dia engordaram cerca de dois quilos. A explicação científica para o ganho de peso é que o sono de má qualidade altera a atuação de substâncias que regulam o apetite.

Lia explica que "durante o sono normal a regulação hormonal, principalmente a liberação de neurotransmissores como a orexina e a leptina, favorecem a saciedade e regulam o metabolismo do organismo". Portanto, a velha intuição de que dormir engorda cai por terra - se, enquanto dormimos, o consumo calórico é menor, ao permanecermos acordados temos mais fome e tempo para comer.

Outra pesquisa conduzida pela Universidade de Columbia e apresentada no encontro anual da Associação Norte-americana para Estudo da Obesidade, em Las Vegas, revelou que as pessoas que dormiam quatro horas ou menos por noite tinham 73% mais tendência a engordar. Já com seis horas, a probabilidade caía para 23%. "Em média, um adulto saudável necessita de 6 a 8 horas de sono. Mas tem pessoas que necessitam menos de quatro horas (dormidores curtos) e outros mais que dez (dormidores longos) e são pessoas normais.", explica Lia, que também leciona medicina e biologia do sono na Unifesp.

A média de horas que um brasileiro repousa, de acordo com a pesquisadora, depende da amostra de indivíduos estudados. Os moradores de grandes centros, ainda segundo Lia, dormem menos, enquanto os da zona rural dormem mais. "Acredito que a média é de cinco a seis horas", estima. Carga-horária levemente inferior ao ideal.

A boa - ou má - notícia é que a falta de sono só pode ser compensada com...mais sono. Passar umas horinhas a mais na cama nas noites subseqüentes é o único remédio. Infelizmente, nem sempre o dia-a-dia permite recuperar o descanso perdido. O estresse, a poluição sonora não combinam com uma noite bem dormida.

Os problemas que mais arruínam o descanso dos brasileiros, de acordo com o instituto - que reúne médicos de diversas especialidades, além de psicólogos, enfermeiros e assistentes sociais - são ansiedade, estresse e depressão. Mas os maus hábitos de sono também figuram no rol de vilões. Evitar cafeína, chocolate e álcool antes de dormir são algumas dicas da Dra. Lia (veja outras no final da reportagem). "Os exercícios físicos devem ser praticados até quatro horas antes de dormir e ler, ver televisão ou usar o computador na cama não são atitudes recomendáveis", cita a coordenadora do Instituto do Sono.

E o que fazer quando o sono não vem? "Sair da cama e fazer algo relaxante - ouvir música, ler, tomar alguma bebida calmante, como chá claro ou leite", reforça a médica, que dá credibilidade científica à receita "infalível" das avós: o copo de leite quente. "O leite tem triptofano, que favorece o sono" diz Lia. "E só voltar para cama quando estiver com sono", conclui.

FONTE – POR: CAROLINA PAES




Nome:

E-mail:

Telefone:

Dúvida:

Código de segurança (Repita o código):
 



Seu Nome:

Seu E-mail:

Nome do amigo:

E-mail do amigo:

Mensagem:

Código de segurança (Repita o código):
 


Home :: Eventos :: Dicionário :: DSM-IV :: CID-10 :: Contato               PsicNet - Todos os direitos reservados