Concepção, Gestação, Bebê e Infância
Casal e Família
Relações de Gênero
Sexualidade Humana
DST's & AIDS
Métodos Contraceptivos
Estresse & Ansiedade
Medos & Fobias
Saúde & Prevenção
Hábitos e Disfunções Alimentares
Qualidade de Vida
Neurociências
Dependência química
Farmacologia
Psicologia Organizacional
Psicologia Acadêmica
Psicologia do Trânsito
Ética & Legislação
Direitos e Declarações Universais
Instituições
Notícias
Indicações Bibliograficas
Utilidade pública
Normas e Responsabilidades
Sobre o Site



Marcos A. L. Renna - Contato: 2965-4042 / 98458-4892
Dependência química
Home » Dependência química » Tema

Por que o lança-perfume foi proibido no carnaval?
07/02/2005 - 02h18m

 

O lança-perfume é uma mistura de éter, clorofórmio, cloreto de etila e essência perfumada, que se evapora rapidamente ao entrar em contato com o ar. Sua fabricação e venda foram proibidas no Brasil nos anos 60 e não foram liberadas. Quando aparece nos festejos carnavalescos é, geralmente, contrabandeado de outros países sul-americanos, como o Paraguai e a Argentina.
Desde os anos 20, quando era legalizado, os foliões costumavam espirrar lança-perfume uns nos outros, durante o carnaval. O jato perfumado, ao atingir a pele, produzia um "geladinho" agradável por causa de sua rápida evaporação.
Mas, com o passar do tempo, esse uso "inocente" do lança-perfume foi cedendo lugar à sua utilização como inalante. As pessoas passaram a embeber um lenço com o líquido e levá-lo ao nariz para obter sensações de euforia e torpor. Depois de causar muitas mortes por parada cardíaca, o produto teve sua fabricação e comercialização proibidas no nosso país.
O objetivo inicial de quem cheira o lança-perfume é obter uma certa euforia, ficar animado e excitado. Estes efeitos, além de uma certa tontura e perturbações auditivas e visuais, constituem a primeira fase da aspiração dos inalantes.
Como trata-se de uma droga depressora do Sistema Nervoso Central, estas primeiras sensações são seguidas de depressão do cérebro, deixando a pessoa confusa, desorientada, com voz pastosa, visão embaraçada, perda de autocontrole, dor de cabeça e palidez.
Numa terceira fase esta depressão se aprofunda, provocando uma redução acentuada do alerta, incoordenação ocular e motora, fala engrolada, reflexos deprimidos e processos alucinatórios.
Na chamada depressão tardia, que é a quarta fase, a pessoa pode chegar à inconsciência, ter queda de pressão e apresentar surtos e convulsões. A inalação deste tipo de produto pode levar a acidentes graves, produzindo alterações no ritmo cardíaco e respiratório e, em alguns casos extremos, à morte súbita.
O consumo de lança-perfume, assim como o de outros inalantes, é bastante arriscado pois pode ter efeitos danosos tanto no uso agudo como no uso crônico.
Mesmo um uso ocasional, numa festa ou no carnaval, pode ser perigoso. Os inalantes tornam o coração humano mais sensível a uma substância que nosso corpo fabrica, a adrenalina, que faz o número de batimentos cardíacos aumentar e é liberada com o esforço físico extra. Assim, se uma pessoa inala um solvente e logo depois faz esforço físico, seu coração pode sofrer, pois ele está muito sensível à adrenalina, liberada por causa do esforço, e isto pode provocar uma síncope cardíaca.
É necessário, ainda, ter cuidado porque sendo uma substância ilegal, o lança-perfume não tem nenhum controle de qualidade, podendo conter outros componentes tóxicos cujos efeitos são inesperados.
O carnaval e todas as ocasiões festivas podem ser comemorados com muita alegria e disposição sem o abuso de substâncias que alterem a consciência, para que a quarta-feira não seja de cinzas, mas de lembranças de momentos realmente divertidos.


Equipe do site Álcool e Drogas sem Distorção
Programa Álcool e Drogas (PAD) do Hospital Israelita Albert Einstein

(www.einstein.br/alcooledrogas)/




Nome:

E-mail:

Telefone:

Dúvida:

Código de segurança (Repita o código):
 



Seu Nome:

Seu E-mail:

Nome do amigo:

E-mail do amigo:

Mensagem:

Código de segurança (Repita o código):
 


Home :: Eventos :: Dicionário :: DSM-IV :: CID-10 :: Contato               PsicNet - Todos os direitos reservados