Concepção, Gestação, Bebê e Infância
Casal e Família
Relações de Gênero
Sexualidade Humana
DST's & AIDS
Métodos Contraceptivos
Estresse & Ansiedade
Medos & Fobias
Saúde & Prevenção
Hábitos e Disfunções Alimentares
Qualidade de Vida
Neurociências
Dependência química
Farmacologia
Psicologia Organizacional
Psicologia Acadêmica
Psicologia do Trânsito
Ética & Legislação
Direitos e Declarações Universais
Instituições
Notícias
Indicações Bibliograficas
Utilidade pública
Normas e Responsabilidades
Sobre o Site



Marcos A. L. Renna - Contato: 2965-4042 / 98458-4892
Psicologia do Trânsito
Home » Psicologia do Trânsito » Tema

Drogas, Alcool e sonolência
01/08/2005 - 14h55m

Os Inimigos de seus  reflexos

Drogas, bebida alcoólica e a sonolência não combinam com o ato de dirigir. O motorista que insiste em assumir o volante do carro após sentir sonolência, consumir drogas ou depois daquele “Happy hour” prolongado com seus colegas de trabalho, tem a percepção alterada, seus reflexos falham e as chances de provocar um acidente que coloque em risco a sua vida e a vida de outras pessoas, tornam-se enormes. 

Vejamos, como estas substâncias podem afetar sua segurança na direção, e o  envolver em situações de riscos: 

I – SONOLÊNCIA: 

Estados alterados de consciência, como a sonolência, diminuem a capacidade de processamento sensorial, reduzindo a eficácia das respostas ao ambiente. A sonolência,  pode ser resultantes de hábitos inadequados ou de outros distúrbios que podem afetar tanto a qualidade, como a quantidade do sono. Ela pode também, ser causada por dificuldade em manter ou iniciar o sono ( Insônia ), e essa insônia, por sua vez , está muitas vezes associadas ao stresse, a depressão, a atividade laboral, a ansiedade, ao consumo de estimulantes ( café, anfetaminas, guaraná, etc ) e ao ruído. 

A sonolência atinge a pessoa quando o relógio biológico indica que chegou a hora de dormir. Neste momento, a atenção e os reflexos diminuem, um fenômeno perfeitamente natural, mas que pode ser fatal se você estiver no volante. 

Para que isso não ocorra, vamos identificar os possíveis estados de sonolência ao volante. 

. Olhos insistindo em fechar;

. Perceber que dirigiu por instantes sem ter consciência do que estava fazendo;

. Sentir a cabeça tombar;

. Dificuldade em manter o carro na pista;

. Dificuldade em acompanhar a sinalização;

. Bocejar com freqüência.

Se você perceber os sintomas descritos, pare o carro assim  que possível em um local seguro e tente dormir por algumas horas. Só um sono restaurador é realmente capaz de reverter o estado de sonolência. 

II -  TÓXICOS  OU  DROGAS: 

As drogas são substâncias que, quando ingeridas, alteram o metabolismo do organismo humano, modificando o estado fisiológico e o comportamento das pessoas. 

Ao consumir drogas , a pessoa perde as condições adequadas para uma condução prudente e responsável do veículo. 

Vejamos os diferentes tipos de drogas e as reações que provocam : 

DEPRESSORES: 

EXEMPLOS: Fazem parte desta lista, além de álcool, soníferos e ansiolíticos ( calmantes e inibidores de ansiedade ).

EFEITOS: Deprime o sistema nervoso central fazendo com que o condutor de um veículo, tenha suas reações retardadas e se “desligue” do que acontece à sua volta. 

ESTIMULANTES: 

EXEMPLOS: São agrupadas aqui drogas do tipo anorexígeros ( remédios que diminuem a fome), e os chamados “rebites” ( drogas usadas por caminhoneiros para não dormir ), a cocaína e o crack. 

EFEITOS: Promovem o aumento da atividade mental do indivíduo, deixando a pessoa “elétrica”, além de acarretar comportamento violento e fácil irritabilidade. A visão do usuário fica turva após o uso. 

PERTUBADORES: 

EXEMPLOS: Entre eles, a maconha, a psilocibina ( derivado de certos cogumelos), o “chá de lírio”, o extasy e os anticolinérgicos. 

EFEITOS: Provocam a perda da noção de tempo e espaço, prejudicando também a atenção e a memória do usuário. A visão fica tumultuada. Provocam também alucinações. 

III  -   ÁLCOOL: 

Os efeitos do álcool sobre o sistema nervoso central, atuando como depressor geral, diminuem a habilidade para dirigir. O sujeito sob os efeitos do álcool processa mais lentamente e com menos eficiência tanto a aquisição de informações como o processamento delas. Atuando diretamente no cérebro do motorista, o álcool dá uma falsa sensação de segurança, fazendo com que a pessoa se arrisque mais que o habitual, ao mesmo tempo em que prejudica drasticamente a capacidade de avaliar distância e velocidade e de reagir a uma situação inesperada. 

De acordo com o Código de Trânsito, considera-se que o motorista não reúne mais condições para dirigir com segurança a partir de 0,6 grama de álcool por litro de sangue. Este mesmo código estabelece como uma infração gravíssima, que implica penalidade de multa equivalente a 900 UFIR, suspensão do direito de dirigir, recolhimento da carteira de habilitação e retenção do veículo, para quem dirigir com um teor alcoólico acima do permitido. 

Por isso, lembre-se que beber com responsabilidade, é a única forma de prolongar seu prazer, sem a terrível ressaca que um acidente pode provocar, e nunca aceite carona de quem bebeu, mas se considera Apto. Nesta hora, os mais confiantes, são os que correm maiores riscos.  

Autora:   Edlene Leite Loureiro Rodrigues, Psicóloga,
CRP: 0966/ 13ª Região.

Contatos:  edlene@detran.pb.gov.br

 

 




Nome:

E-mail:

Telefone:

Dúvida:

Código de segurança (Repita o código):
 



Seu Nome:

Seu E-mail:

Nome do amigo:

E-mail do amigo:

Mensagem:

Código de segurança (Repita o código):
 


Home :: Eventos :: Dicionário :: DSM-IV :: CID-10 :: Contato               PsicNet - Todos os direitos reservados