Concepção, Gestação, Bebê e Infância
Casal e Família
Relações de Gênero
Sexualidade Humana
DST's & AIDS
Métodos Contraceptivos
Estresse & Ansiedade
Medos & Fobias
Saúde & Prevenção
Hábitos e Disfunções Alimentares
Qualidade de Vida
Neurociências
Dependência química
Farmacologia
Psicologia Organizacional
Psicologia Acadêmica
Psicologia do Trânsito
Ética & Legislação
Direitos e Declarações Universais
Instituições
Notícias
Indicações Bibliograficas
Utilidade pública
Normas e Responsabilidades
Sobre o Site



Marcos A. L. Renna - Contato: 2965-4042 / 98458-4892
Temas sobre Saúde - Geral
Home » Saúde & Prevenção » Temas sobre Saúde - Geral » Tema

Faço má digestão porque sou gordinho(a), ou sou gordinho (a) porque faço má digestão?
12/10/2004 - 16h35m

"FAÇO MÁ DIGESTÃO PORQUE SOU GORDINHO (A), OU SOU GORDINHO(A) PORQUE FAÇO MÁ DIGESTÃO?"


Uma  das  explicações  para  aqueles  felizardos  corpos  que  comem  de  tudo  e  não  engordam  é  fácil:  basicamente,  eles  digerem  bem.  As  substâncias  nutritivas  do  alimento  são  perfeitamente  absorvidas  e  assimiladas  por  esses  organismos;  os  excessos  são  devidamente  eliminados  em  pouco  tempo.  Digestão  perfeita,  metabolismo  eficiente,  peso  normal.

Entre  os  motivos  que  levam  a  uma  digestão  perfeita,  está  a  atuação  competente  das  enzimas  digestivas.  Enzimas  são  proteínas  catalisadoras  dos  processos  biológicos;  todas  as  reações  que  ocorrem  nos  organismos  são  catalisadas  -  aceleradas  -  por  enzimas.  Não  fossem  as  enzimas,  a  digestão  dos  alimentos  seria  um  processo  absurdamente  longo  e  incompatível  com  a  vida. 

Pouca  atenção  se  dá  ao  fato  de  que  uma  das  principais  conseqüências  da  má  digestão  é  o  ganho  de  peso  (além  de  azia,  flatulência,  inchaço...)  Se  o  fígado  recebe  o  alimento  mal  digerido,  ele  fica  meio  "perdido"  e  manda  para  o  "depósito"  de  gorduras.  Se  o  intestino  não  funciona,  o  lixo  acumulado  vai  liberar  toxinas  que  prejudicarão  o  metabolismo,  tornando-o  lento,  entre  outras  conseqüências.  Resultado:  ganho  de  peso.

A  médica  endocrinologista  e  nutróloga  Valeria  Goulart  vem  estudando  há  mais  de  10  anos  o  papel  das  enzimas  no  ganho  de  peso,  e  desenvolveu  um  protocolo  de  tratamento  que  visa  o  equilíbrio  e  a  normatização  da  ação  das  enzimas  digestivas  e  lipolíticas.  O  tratamento  prevê  a  suplementação  e  a  aplicação  localizada  de  combinações  enzimáticas.  Dieta,  exercícios,  drenagem  linfática  e  aparelhos  eliminadores  das  células  lisadas  fazem  parte  do  protocolo.

A  combinação  de  até  28  tipos  de  enzimas  digestivas  e  lipolíticas  sempre  será  prescrita  de  acordo  com  o  tipo  de  gordura  do  paciente,  cuja  classificação  leva  em  conta:  idade,  sexo,  tempo  da  gordura  e  qualidade  da  atividade  hormonal. 

Mais  informações:
Dra.  Valeria  Goulart 
(11)  3051-4333 




Nome:

E-mail:

Telefone:

Dúvida:

Código de segurança (Repita o código):
 



Seu Nome:

Seu E-mail:

Nome do amigo:

E-mail do amigo:

Mensagem:

Código de segurança (Repita o código):
 


Home :: Eventos :: Dicionário :: DSM-IV :: CID-10 :: Contato               PsicNet - Todos os direitos reservados